Saúde

Nota de Esclarecimento COVID-19


NOTA DE ESCLARECIMENTO À POPULAÇÃO

A Secretaria Municipal de Saúde de Aiuruoca vem a público informar a população em relação ao assunto relacionado ao primeiro caso do Coronavírus em Aiuruoca.

Primeiramente, esclarecemos que todo processo de testagem que envolveu a senhora que testou positivo, deu-se por solicitação de um médico do Hospital Dr. Júlio Sanderson, bem como executado por uma das enfermeiras daquela instituição. Esclarecemos ainda que a participação da Secretaria de Saúde de Aiuruoca deu-se apenas na praxe de autorização do uso de um veículo para transporte de material coletado para envio a FUNED, em Belo Horizonte.

Diante do resultado positivo, ficamos surpreendidos e começamos a averiguar como a paciente poderia ter contraído o vírus. À medida que avançamos, encontramos várias irregularidades desde a falta de comunicação com a médica responsável da Secretaria Municipal de Saúde que não soube que o material havia sido colhido em casa, do horário inadequado da coleta, da falta de autorização da família e a não utilização de EPIs adequados para a coleta.

Diante do fato de que a paciente, apesar de todas as suas limitações de saúde, não teve seu quadro clínico agravado, que as cuidadoras que tiveram contato com ela e seus familiares (ao todo 12 pessoas) estavam assintomáticos e, com a autorização das famílias, achamos por bem realizar nos envolvidos o exame de sorologia, capaz dizer se a pessoa já teve contato com o Covid-19 e se o sistema imunológico produziu os anticorpos contra a doença. Desta forma, arbitramos um laboratório isento para realizar a coleta, sendo o material enviado para DB Diagnóstico em São Paulo, chegando todos os resultados no dia de ontem, 25/07/2020.

Considerando que idosa teve diagnostico positivado para COVID-19, seria esperado que o IGM fosse negativo e o IGG positivo para anticorpos, assim como os exames das demais famílias envolvidas, contudo, os resultados foram negativos.

Diante dos fatos, a Secretaria Municipal de Saúde, no uso de suas atribuições, iniciará uma profunda investigação cuja meta é reajustar possíveis lapsos de quem quer que seja, saber se realmente houve um erro, onde ele ocorreu e punir se houver necessidade.

Ressaltamos que sempre prezamos pela verdade de todos os fatos aqui divulgados. Reiteramos que nossa responsabilidade e respeito a nossa população são pilares intocáveis. Continuamos a contar com a compreensão, o apoio e a colaboração de todos nesta luta e não deixe de utilizar as medidas de prevenção.

Aiuruoca, 26 de julho de 2020.

 

Nota da família de D. Inês Nogueira do Carmo encaminhada ao Comitê da COVID-19 em Aiuruoca

AO COMITÊ DA COVID -19, DE AIURUOCA

São Paulo, 26 de julho de 2020.

O exame PCR realizado em D. Inês Nogueira do Carmo foi autorizado no dia 09/07 p.p por um médico do hospital, mas sem o consentimento da família, da médica do PSF que é a médica que acompanha à paciente, e da Secretária da Saúde do Município.

O material para o exame foi colhido fora de horário apropriado, à noite, entre 18h30 e 19h, por enfermeiras do hospital, informando à colaboradora presente que era protocolo e que o hospital havia esquecido de coletar por ocasião da D. Inês ter sido internada. Entraram na residência sem autorização da família e sem os paramentos (EPI’s) adequados.
De forma ingênua a colaboradora diante da alegação das enfermeiras as deixou entrar e imediatamente achando o fato “estranho” comunicou a família, em São Paulo. No mesmo instante ligamos para o hospital e questionamos uma das enfermeiras que acabava de retornar da visita, assustados que ficamos com a intromissão. A mesma alegação dada à colaboradora foi repetida a nós, por telefone (Temos a gravação). Posteriormente recebemos ligação de uma das enfermeiras envolvidas que de forma “destemperada” afirmou ter todo direito de ter entrado na residência.(Temos gravação).

Para relembrar, D. Inês foi internada na segunda-feira, dia 06/07 p.p., no hospital de Aiuruoca, diagnosticada pelo médico de plantão com coração inchado (fibrilante) e em decorrência disso, água nos pulmões, o que não é novidade para a família haja vista que ela há mais de dez anos sofre com isso. A surpresa é que a paciente teve alta no dia 09/07. Achamos precoce considerando que ela estava tomando antibióticos. Foi nesta noite a visita para coletar o material.
A Dra. Rejane é a médica da D. Inês há algum tempo, e de nossa inteira confiança sempre nos posicionando com gentileza e transparência a situação da saúde dela. No dia 13/07 nos ligou informando que D. Inês testou positivo para o COVID-19, tão surpresa quanto nós os familiares. Como médica ela não foi comunicada da alta do hospital e tampouco do exame para o PCR. Na conversa tomou as providências cabíveis, o que se nota em uma profissional de responsabilidade e foi à residência da paciente retornando a medicação de antibióticos suspensa pelo hospital. Portanto, Isentamos e somos muito gratos à Dra. Rejane de qualquer responsabilidade diante de tantas falhas verificadas. Muito bom o Município poder contar com uma ótima profissional, dedicada, honesta e caridosa com os seus doentes.

Diante do exposto declaramos que a Secretaria de Saúde do Município de Aiuruoca não tem absolutamente nada a ver com a determinação do hospital, fato este fora dos protocolos. Temos também a agradecer à Secretária de Saúde toda a ajuda e suporte dados aos envolvidos.
Autorizamos e pedimos tornar público o relato acima.

À disposição, família de D. Inês Nogueira do Carmo,
José do Carmo
Paulo Cesar do Carmo
Norma Giffoni do Carmo